O Quina das Beatas Fest regressa no novo trimestre, já para a 3ª edição, nos dias 6 e 7 de dezembro de 2019, no espaço Café-Concerto do CAE Portalegre.
O primeiro dia do festival será inteiramente dedicado à Lovers & Lollypops, editora, promotora e produtora sediada no Porto, com três projectos em estreia no CAE; Stone Dead, Solar Corona e Mr. Gallini (a solo). Para finalizar a noite, no Club Longe a festa continua com o Chupa-me o Alternativo DJ Set.


No segundo dia do festival, apresentamos várias bandas da Pointlist, promotora de Évora, com alguns regressos auspiciosos ao CAE: Fugly, El Señor e Niki Moss. Para iniciar da melhor forma a segunda noite do Quina das Beatas Fest, temos o prazer de apresentar os recentemente criados Mexican Girl, de Portalegre. Para finalizar a noite, apresentamos a dupla de Dj´s Duo Low Rosas, que prometem por o Club Lounge a dançar pela noite dentro!

6 DEZ. SEX. 22.00H
Mr. Gallini (solo)
Chupa-me o Alternativo DJ Set (no Club Lounge a partir das 01.30h)
Quina das Beatas Fest
Pop / Rock | CC | 3€ | M/12 anos


Quem passa por Alcobaça não passa sem lá voltar... A não ser que já se seja de lá, e que se saiba que para além da adoração à arte da doçaria conventual, também vai perdurando a veneração por outra arte menos antiga, a de fazer rock n’ roll. Terá sido mais ou menos assim com Mr. Gallini, nascido em Pisões, e a quem os pais deram o nome Bruno Monteiro. E que começou nesta vida rock enquanto baterista de outros irmãos da mesma região, os Stone Dead, com os quais já percorreu palcos por todo esse Portugal fora.


Sem esquecer a casa-mãe, mas procurando também encontrar o seu próprio espaço enquanto artista a solo, Gallini lançou já “Lovely Demos”, o seu álbum de estreia, em 2018, e apresenta agora o seu sucessor – que é, também, o segundo tomo de uma trilogia anteriormente anunciada, “The Organist”.

6 DEZ. SEX. 23H
Solar Corona 

Chupa-me o Alternativo DJ Set (no Club Lounge a partir das 01.30h)
Quina das Beatas Fest
Pop / Rock | CC | 3€ | M/12 anos

Solar Corona é rock pulsando como um motor no cérebro dos ouvintes. A banda é composta por Rodrigo Carvalho, na guitarra e sintetizadores, Julius Gabriel, no saxophone e sintetizadores, José Roberto Gomes, no baixo e Peter Carvalho, na bateria, um grupo completamente comprometido a rasgar a sanidade do público e a levá-los numa odisseia rampante, através de paisagens distorcidas e batidas certeiras.
A comparação é geralmente a maneira de descrever música em palavras. Sugerimos que imaginem os Hawkwind, se Lemmy (depois, o líder dos Motorhead), nunca tivesse sido expulso da banda...

6 DEZ. SEX. 24H
Stone Dead 

Chupa-me o Alternativo DJ Set (no Club Lounge a partir das 01.30h)
Quina das Beatas Fest
Pop / Rock | CC | 3€ | M/12 anos


Quem disse que o rock estava morto não ouviu os Stone Dead. Pese embora a ironia da afirmação, na altura de se ouvir o àlbum “Good Boys”, o ouvinte será impelido a encarar a viagem nos sapatos de Tony Blue de duas maneiras: ora como entrar num buraco negro com saída directa para o PA de Woodstock, ora como o escrever da lacuna sonora latente no rock português.
“Good Boys” é o documento que faltava no rock nacional, um registo em que uma banda soa a tal e não disputa atenções. O ciclo electrificante do rock, com a guitarra em punho a puxar na mesma direcção que um baixo proeminente e detalhado com vários apontamentos de melodia, encontra uma nova vida no registo da banda de Alcobaça, que parece ter frequentado todas as escolas de riffs de 66 a 77.

7 DEZ. SÁB. 22H
Mexican Girl
DUO LOW ROSAS (no Club Lounge a partir das 01.30h)
Quina das Beatas Fest
Rock | CC | 3€ | M/12 anos


Mexican Girl é um  duo, composto por  Lorena Sequeyro (Deseo de Muerte), na voz, sintetizador e efeitos, e João Delicado (Alien Church), na guitarra. Surgem em meados de 2018, após a vinda de Lorena Sequeyro do México para Portugal.
Uma guitarra reverberada, um sintetizador analógico, uma caixa de ritmos vintage e demais experimentações sonoras, assentam a voz de Lorena numa sonoridade negra, mas alegre, penetrante, mas hipnótica. Celebram a vida, mas também a morte, o encanto e o desencanto, o sonho e a ilusão, no que gostam de apelidar de “tropical darkwave".

7 DEZ. SÁB. 22.45H
Niki Moss 

DUO LOW ROSAS (no Club Lounge a partir das 01.30h)
Quina das Beatas Fest
Rock | CC | 3€ | M/12 anos


Niki Moss é o alter-ego de Miguel Vilhena, músico multi-instrumentista, fundador da editora Pontiaq, vocalista da banda Savanna, e produtor de um punhado de bandas portuguesas (Pista, Ditch Days, Marvel Lima, Flying Cages, George Marvinson).
A partir de agora, poderemos conhecer também o seu trabalho individual, com o àlbum "Gooey", que descortina uma escrita arrojada e um experimentalismo vibrante, que não alinha numa clara tendência pop. O universo analógico convive com um futurismo vincado de distorções refinadas e arranjos obsessivamente detalhados, que desvendam uma estética fora do comum

7 DEZ. SÁB. 23.30H
El señor 

DUO LOW ROSAS (no Club Lounge a partir das 01.30h)
Quina das Beatas Fest
Rock | CC | 3€ | M/12 anos


El Señor, Fafe. Estrearam-se em 2017 com “Alvorada Beat”, um EP expresso mas eficaz de “rock n’ roll despretensioso” e despenteado. Há ócio e cheiro a mar, mas há mais inquietações e gritos ao aborrecimento e ao desprazer, ao tédio dos lugares em que se demoram e dos quais querem sair. Entre o garage, o pop e o surf, percorreram o país e marcaram presença em festivais como Vodafone Mexefest, Party Sleep Repeat, Mucho Flow, Black Bass ou Gliding Barnacles.
Após curta pausa para pensar na vida, regressam renovados aos concertos e preparam-se para lançar material novo no final de 2019.

8 DEZ. DOM. 00.30H
Fugly 

DUO LOW ROSAS (no Club Lounge a partir das 01.30h)
Quina das Beatas Fest
Rock | CC | 3€ | M/12 anos


Depois do EP, “Morning After”, e após muito sangue, suor e lágrimas, os Fugly continuam a seguir o seu percurso, em busca do caos e da excentricidade frenética do noise e do garage, bem como a cura para a ressaca. O álbum, “Millennial Shit”, lançado em 2018 pela editora independente O Cão da Garagem, é o pretexto de novo para a vinda dos Fugly ao café-concerto do CAE, depois de um primeiro concerto memorável.